Entrega grátis em Portugal para compras superiores a 40€

 - 
English
 - 
en
French
 - 
fr
German
 - 
de
Italian
 - 
it
Portuguese
 - 
pt
Russian
 - 
ru
Spanish
 - 
es
0
  • No products in the cart.

Os químicos nos seus alimentos

Os químicos nos alimentos podem ser classificados em aditivos sintéticos e químicos ‘naturais’.

Aditivos alimentares são substâncias não consumidas como alimento e nem como ingrediente alimentar, mas que são adicionadas a um alimento para atingir uma função tecnológica, como:

  •  melhorar o sabor ou a aparência de um alimento processado;
  • manter a qualidade, estabilidade ou preservar um alimento.

Exemplos: conservantes, corantes, intensificadores de sabor, emulsificantes, umectantes, agentes antiespumantes, agentes de volume, adoçantes, agentes antiaglomerantes, reguladores de acidez e espessantes.

Os químicos naturais são produzidos por plantas e animais e transmitidos aos seres humanos através da dieta.

Exemplos: salicilatos, aminas, glutamatos, benzoatos, penicilina, levedura, histamina e tartrazina.  Eles são encontrados em vários alimentos:

  • Os salicilatos são encontrados nas plantas e têm uma função protetora; pensa-se que a sua concentração reduz com o amadurecimento;
  • As aminas e glutamatos (produtos da quebra de proteínas) são encontrados em alimentos e bebidas envelhecidos e fermentados, morangos, berinjela, vinho, cerveja e chocolate; acredita-se que sua concentração aumenta com o envelhecimento;
  • Glutamatos são usados ​​para melhorar o sabor;
  •  Benzoatos, sulfitos e nitratos são usados ​​como conservantes e cores de alimentos. De um modo geral, quanto mais forte o sabor de um alimento, maior o seu conteúdo químico.

Em pessoas com sensibilidade, esses químicos alimentícios podem provocar urticária, angioedema (inchaço), enxaqueca, reações anafilactóide, asma, rubor, hipotensão, eczema, rinite, dor abdominal, diarreia, náusea, vomito, distúrbio de deficit de atenção e hiperatividade.

Quanto aos sintomas gastrointestinais, especialmente a síndrome do intestino irritável, existe pouco em termos de validação científica. Mas isso não significa que, caso haja suspeita de que algum químico esteja a causar sintomas, não se possa tentar essa abordagem. Se isso for feito, o método seguido é de eliminação e depois voltar a testar o alimento.

Também é importante saber que seguir uma dieta com baixo teor de produtos químicos é difícil devido a dados limitados e confiáveis ​​sobre a composição dos alimentos. A dieta pode acabar por ser restritiva e pobre em nutrientes.

Por isso, caso precise de ajuda, clique aqui para agendar uma consulta.

×