Entrega grátis em Portugal para compras superiores a 40€

 - 
English
 - 
en
French
 - 
fr
German
 - 
de
Italian
 - 
it
Portuguese
 - 
pt
Russian
 - 
ru
Spanish
 - 
es
0
  • No products in the cart.
 

A eficácia da dieta fodmap nos sintomas da síndrome do intestino irritável

A eficácia da dieta fodmap nos sintomas da síndrome do intestino irritável

Enquanto uma dieta baixa em FODMAP é eficaz em cerca de ¾ dos pacientes, nem todos experimentam alívio dos sintomas na dieta.

A resposta aos sintomas na dieta baixa em FODMAP pode ser bastante individual – algumas pessoas têm um alívio significativo e outras apenas um pouco.

Alguns sintomas são normais, como uma pequena quantidade de gás ou inchaço. Por exemplo, a flatulência é normal e um subproduto da fermentação no intestino grosso – um processo importante para a saúde intestinal. Uma expectativa realista pode ser a redução da flatulência problemática, mas não a zero.

Por isso, é útil estabelecer expectativas realistas em relação ao controle dos sintomas junto com o profissional de saúde. É importante entender o tipo e / ou gravidade dos sintomas que a pessoa está considerando aceitáveis ou inaceitáveis e saber diferenciar entre sintomas toleráveis ​​e sintomas desconfortáveis ​​ou angustiantes, ou, em outras palavras: se um indivíduo sentir que o inchaço e distensão muito desconfortáveis, seu objetivo pode ser reduzir esses sintomas em níveis toleráveis, mas não desconfortáveis. Por exemplo, se uma pessoa fica desconfortável com o inchaço após comer pão em situações sociais, pode optar por comê-lo em casa, onde a situação é mais administrável. Caso o pão cause sintomas angustiantes, o ideal é não comer.

Os sintomas da síndrome do intestino irritável tendem a variar com o tempo; às vezes eles podem ser muito leves e às vezes podem ser mais graves.

Muitos fatores fora da dieta podem influenciar os sintomas da síndrome do intestino irritável, incluindo o stress, ansiedade, gastroenterite, menstruação, atividade física e outros fatores do estilo de vida.

Por exemplo, o stress e a ansiedade, podem influenciar os sintomas gastrointestinais, por meio de seus efeitos sobre a motilidade intestinal, o limiar da dor e as funções secretora e barreira mucosa do intestino.

Consequentemente, é recomendado repetir os desafios dos FODMAPs mal tolerados ao longo do tempo para reavaliar a tolerância. Por exemplo, se o desafio a lactose (queijo fresco) foi mal tolerado inicialmente, pode-se repetir esse desafio em 3 a 6 meses para verificar se a tolerância mudou.

Às vezes, as pessoas podem sentir que os sintomas ficam piores quando são expostos novamente a alimentos com alto teor de FODMAP. Isso pode ser explicado por elas terem se acostumado a um bom controle dos sintomas na dieta baixa em FODMAP e são menos tolerantes quando esses sintomas retornam. Também é plausível que alterações na microbiota intestinal (causadas pela dieta baixa em FODMAP) possam contribuir para a piora dos sintomas quando as pessoas são reexpostas a alimentos com alto teor de FODMAP.

Concluindo, a dieta deve ser tão rigorosa quanto os sintomas exigirem. A dieta FODMAP não precisa ser seguida tão estritamente quanto uma dieta para tratar uma alergia alimentar ou uma dieta sem glúten para tratar a doença celíaca. Isso ocorre porque a dieta FODMAP é indicada para aqueles que têm uma intolerância alimentar, e não uma alergia. Além disso, ao contrário de uma dieta sem glúten para doença celíaca, uma dieta baixa em FODMAP não tratará a causa subjacente da síndrome do intestino irritável. Deve ser seguida de maneira flexível e restritiva conforme necessário para alcançar o controle adequado dos sintomas.

Se deseja agendar uma consulta clique aqui.

Se quer saber mais informações sobre a dieta FODMAP clique aqui

×