Entrega grátis em Portugal para compras superiores a 40€

 - 
English
 - 
en
French
 - 
fr
German
 - 
de
Italian
 - 
it
Portuguese
 - 
pt
Russian
 - 
ru
Spanish
 - 
es
0
  • No products in the cart.

Melhore os sintomas de endometriose com a sua alimentação

Sabia que a prevalência de endometriose é cerca de 10% na população? Essa mesma prevalência aumenta para 25 a 45% em mulheres que sofrem de infertilidade! 

Mas o que é a endometriose?

É uma doença crónica, inflamatória e estrogénio-dependente e é quando ocorrem lesões provocadas pelo crescimento de células que constituem o útero fora do mesmo, isto é, essas mesmas células podem aparecer nos ovários, bexiga, intestino ou mesmo em outros órgãos.

O útero é constituído por várias camadas, sendo o endométrio, o revestimento interno. Quando ocorre a menstruação, existe a descamação desse mesmo revestimento interno (endométrio) e posterior regeneração. A cada ciclo há formação de um novo revestimento e é uma altura com maior crescimento celular. 

Contudo, apesar de estas mesmas células estarem “fora” da sua localização esperada, respondem à mesma aos estímulos hormonais. Quando há um aumento de estrogénio, ou mesmo o seu excesso, há uma maior produção de prostaglandinas, que são responsáveis pela inflamação e consequentemente, da dor, um dos principais sintomas da endometriose.

A evolução da doença, leva a que haja alterações imunológicas anormais, levando assim a um aumento de fatores pró-inflamatórios. 

A causa da Endometriose?

As evidências têm associado fatores genéticos, ambientais como estilo de vida ao desenvolvimento da endometriose. A nutrição, apesar de pouco abordada aquando do tratamento, tem o seu impacto a nível de sintomas como na progressão da mesma.

E os sintomas?

Por norma, estes surgem com o início da menstruação, contudo e na maioria dos casos, os sintomas aparecem mais tarde e a sua intensidade vai também aumentando.  

Para além das dores intensas, a nível pélvico/abdominal, sentidas na fase da menstruação, para algumas mulheres, são acompanhadas por vómito, diarreia e/ou desmaio. Outros sintomas associados são a infertilidade e dor ao urinar, mesmo fora do período menstrual.

O papel da alimentação na Endometriose

As evidências têm relacionado cada vez mais a alimentação com esta patologia visto, ajudar quer na prevenção como na diminuição do seu desenvolvimento e as suas repercussões. 

Será sempre necessário um acompanhamento multidisciplinar, sendo a Nutricionista uma peça chave na equipa, sendo a Nutrição uma terapia adjuvante ao seu tratamento.

Os estudos têm demonstrado uma relação com determinados nutrientes como o ácido fólico, a vitamina B12, o zinco e a colina, que quando em défice, poderão interferir na metilação do DNA, resultando assim num aumento da inflamação como do crescimento celular. 

Por outro lado, o cálcio, zinco, selénio, vitamina C, vitamina E e fitoquímicos (carotenos, flavonoides, indole, isotiocianatos) estão intimamente relacionados com a fisiopatologia da Endometriose bem como o equilíbrio hormonal, sinalização celular, controlo do crescimento celular, apoptose entre muito outros.

Os polifenóis, para além da sua atividade antioxidante, têm também a capacidade de modular a atividade enzimática. Por exemplo, o resveratrol, um polifenóide presente na casca das uvas pretas, têm demonstrado atividade antineoplásica, anti-inflamatória e antioxidante.

As vitaminas A, C e E têm atividade antioxidante e previnem a peroxidação lipídica, um fenómeno que contribui para o desenvolvimento e progressão de doenças crónicas com características inflamatórias, nas quais a endometriose está incluída.

A vitamina D tem sido amplamente estudada devido à sua grande abrangência tendo esta uma ação anti-inflamatória, imunomodeladora, antiproliferativa e no metabolismo ósseo. Na endometriose, a forma ativa da vitamina D reduz a síntese 

A N-acetilcisteina (NAC), presente no pigmento vermelho, alho, cebolas, brócolos e outras crucíferas e aveia, regula a proliferação celular como a activação de um determinado genes nas células do endométrio como reduz a produção de peróxido de hidrogénio, diminuindo a stress oxidativo.

A suplementação de NAC têm tido uma relação na redução do tamanho do endometrioma, havendo uma alteração no comportamento proliferativo, para além da alteração da atividade inflamatória e invasiva.

pele bonita

De uma forma muito sucinta, os principais objetivos da alimentação na endometriose serão:

  • Reduzir a inflamação, através da redução dos alimentos pró-inflamatórios e aumentar o consumo de alimentos anti-inflamatórios;
  • Melhorar os mecanismos naturais de desintoxicação do organismo;
  • Promover o bom funcionamento do trânsito intestinal como melhorar a qualidade da flora intestinal.

De forma a dar os seus primeiros passos, os cuidados a ter são: 

  • Alimentos como o açúcar, cafeína, lacticínios, carne vermelha e álcool deverão ser reduzidos ao máximo ou mesmo excluídos;
  • Evite a gordura de origem animal visto estar correlacionada com o aumenta da produção de prostaglandinas que por si aumenta a inflamação, edema e contração muscular;
  • Aumente o consumo de fibra, através de hortícolas, leguminosas e cereais integrais (aveia, kamut, millet, araruta);
  • Reduza as fontes de gordura saturada e exclua a gordura trans;
  • Aumente o consumo de alimentos ricos em ómega-3, em especial dos peixes: salmão selvagem, atum, sardinhas, cavala, arenque;
  • Inclua boas fontes de gordura, para além do peixe, como o azeite extra virgem, oleaginosas e abacate;
  • Tenha presente a família das crucíferas (brócolos, couves, espargos, rúcula…) ricos em indole-3-carbinol e combine com alimentos ricos em vitamina C (kiwi, limão, papaia, cenoura).

Se gostou, e pretende algum esclarecimento ou agendar uma consulta:

Contacte-nos para falarmos mais

Artigo publicado pela nutricionista Ana Santos.

×