Entrega grátis em Portugal para compras superiores a 40€

 - 
English
 - 
en
French
 - 
fr
German
 - 
de
Italian
 - 
it
Portuguese
 - 
pt
Russian
 - 
ru
Spanish
 - 
es
0
  • No products in the cart.

Como o stress afeta o intestino?

O stress é a sua capacidade de lidar com as demandas da vida e do corpo. Os fatores da vida, são também chamados de externos, e incluem: o trabalho, um relacionamento, problemas financeiros e etc. As demandas do corpo, são os fatores internos, como não ter um sono reparador. Se você dormir mal, isso vai afetar negativamente a sua capacidade de lidar com momentos de maior pressão no trabalho.

Imagina o seguinte cenário: você foi colocada em lay-off por uns meses e percebe que não vai ter dinheiro o suficiente para pagar todas as contas. Perante este cenário, o que acontece com o seu corpo?  A partir do momento que essa demanda da vida induziu o stress, o seu sistema nervoso simpático é ativado. Você entra em estado de alerta, fica preparada para reações de luta e fuga, só que desta vez não é para fugir de um leão, mas sim, do banco. O sistema nervoso que não é assim tão simpático, toma energia ‘emprestada’ do intestino e isso resulta no seguinte:

  • fluxo sanguíneo é reduzido;
  • produção de muco é reduzida;
  • movimentação reduzida de alimentos através do trato digestivo; e
  • maior sensibilidade gastrointestinal.

E então essas alterações são as responsáveis pela sua dor abdominal, inchaço, diarreia ou obstipação.

Para melhorar você precisa ativar o sistema nervoso parassimpático, que tem a função de fazer o organismo retornar ao estado de calma que você estava antes de ter sido colocada em lay off.

Eixo intestino-cérebro

O eixo intestino-cérebro refere-se ao fluxo bidirecional de informações que ocorre entre o cérebro e o sistema digestivo. Esse eixo desempenha um papel importante na regulação de muitas funções vitais, incluindo:

  • processos digestivos
  • modulação do sistema imunológico associado ao intestino
  • coordenação do estado físico e emocional com atividade no trato gastrointestinal.

Devido a essa comunicação entre os 2 sistemas, o stress psicológico pode causar problemas na digestão e problemas na digestão, pode causar problemas psicológicos. Em um estudo coorte foi observado que pessoas com níveis mais altos de ansiedade, mas sem problemas digestivos, estavam mais predispostas a desenvolver a síndrome do intestino irritável 12 anos depois. Além disso, as pessoas com SII no início do estudo (mas sem níveis elevados de ansiedade e depressão) apresentaram níveis significativamente mais altos de ansiedade e depressão durante o acompanhamento.

Solução

Existem várias maneiras de lidar o stress, mas estabelecer a sua causa está entre as mais importantes.

Uma vez que a causa é identificada, existem muitas técnicas que são fáceis de aprender e praticar na vida cotidiana.

  1. A técnica que mais tem evidências é o ato natural de respirar. A respiração diafragmática ou abdominal ou é marcada pela expansão do abdómen, e não do tórax. É uma manipulação do movimento da respiração que contribui para a diminuição do consumo de oxigénio, redução da frequência cardíaca e pressão sanguínea, aumento da atividade parassimpática e é acompanhada por uma sensação de revigoramento. E são necessários poucos minutos para atingir esse bem-estar.
  2. O relaxamento muscular progressivo também pode reduzir o stress. Nesta técnica você precisa tensionar e relaxar alternadamente os músculos das pernas, abdómen, tórax, braços e rosto em um padrão sequencial com os olhos fechados. Geralmente 15 a 20 minutos por dia. Você pode fazer sozinha ou com um programa de áudio.
  3. A meditação é uma técnica em que você é incentivada a prestar atenção no momento presente e sem julgamento. Essa técnica também pode ajudar a reduzir os sintomas gastrointestinais na síndrome do intestino irritável, com resultados mantidos a longo prazo.
  4. O biofeedback é um tratamento no qual os sinais fisiológicos são medidos e convertidos em indicações auditivas ou visuais. Essas indicações permitem que os pacientes reconheçam os seus sintomas corporais e que desenvolvam capacidades de autorregulação, primeiro pelo uso de equipamento de biofeedback e, posteriormente, sem. O objetivo final é que os pacientes consigam regular as suas reações fisiológicas e emocionais.
  5. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é um tipo de psicoterapia cada vez mais aplicada a pacientes com SII. É uma técnica que ajuda-os a gerenciar o sofrimento psicológico que pioraria os sintomas intestinais.

Nesta abordagem aprende-se sobre:

    • psicoeducação (sobre a resposta ao stress e sua relação com problemas gastrointestinais);
    • construir uma visão das respostas cognitivas e comportamentais aos sintomas da SII e / ou medo dos sintomas, e
    • modificar essas respostas para reduzir o stress relacionado à SII e a reatividade física.

Através desta terapia, consegue-se:

    • aplicar técnicas de auto-monitoramento de sintomas;
    • entender a relação entre sintomas e stress;
    • utilizar técnicas de relaxamento;
    • reestruturar efetivamente as cognições e
    • aplicar habilidades de controle atencional (meditação).

A taxa de sucesso varia entre 25 e 80% e os resultados são mantidos. A duração do tratamento varia de 4 a 12 semanas, com períodos de intervenção mais longos associados a melhores resultados a longo prazo.

Quando os sintomas digestivos são moderados a graves e estão associados ao stress psicológico, a ponto de prejudicar a sua qualidade de vida, as técnicas mencionadas acima podem ajudar. Atualmente, não há dados comparativos para determinar se alguma técnica é superior a outra. É uma questão de testar e ver o que funciona melhor para si.

×